Uma análise publicada na revista acadêmica Psychological Science, no início deste ano, concluiu que “colocar-se no lugar dos outros” pode ser um péssimo conselho quando você quer convencer alguém a mudar de opinião ou atitude.

Na realidade, essa atitude traz o efeito contrário: tentar adotar a perspectiva de outra pessoa pode torná-lo menos aberto a visões diferentes. E esse é um ótimo exemplo do efeito backfire.

O efeito backfire (ou tiro pela culatra, em tradução literal) tem uma influência enorme em nosso comportamento. Mas você sabe o que ele significa?

Esse efeito é um mecanismo psicológico que não se trata apenas de ignorar os fatos de que discordamos, mas que nos faz defender as nossas próprias crenças com veemência quando somos contrariados.

Ele também está ligado aos nossos vieses cognitivos, principalmente ao viés da confirmação – e se você acredita que o seu cérebro é super racional, bem, pare alguns minutos e leia mais aqui.

A teoria: Quando você se depara com fatos que contradizem aquilo que você acredita, você incorpora esses novos fatos, questiona as suas crenças e tende a mudar de comportamento.

A realidade: Quando você se depara com fatos que contradizem suas crenças, você ignora os fatos e fortalece ainda mais as suas crenças.

Mas o efeito backfire atinge algo ainda mais profundo na psiquê humana e, por isso, tem sido alvo de interesse de estudos do ponto de vista comportamental.

“Com o aumento da polarização na discussão política dos Estados Unidos, surge a dúvida de como trazer as pessoas com pontos de vista diferentes para a mesma mesa, a fim de possibilitar diálogos mais produtivos”, explica a pesquisadora Rhia Catapano, da Universidade de Stanford.

Em 3 experimentos realizados com grupos que se identificavam com espectros políticos diversos, os pesquisadores de Stanford observaram que os indivíduos que se engajaram com visões opostas à sua, ou seja, “calçaram os sapatos” de outras pessoas, experimentaram uma sensação de incongruência em relação às suas próprias crenças. Isso diminuiu qualquer receptividade deles em relação a novos argumentos ou mudanças de atitude.

Por outro lado, o efeito backfire foi atenuado quando os indivíduos assumiram a perspectiva de alguém que possuía uma visão diferente da sua sobre determinado fato, mas com quem existia alguma identificação quando se tratava de crenças no geral.

“A tomada de perspectiva aumenta a abertura dos participantes a um ponto de vista alternativo quando seus valores são congruentes com os de seu parceiro”, diz o estudo.

No fim das contas, os experimentos são tentativas de criar estratégias que podem ajudar a superar divisões ideológicas polarizadas.

Para Catapano, por exemplo, fazer que as pessoas elaborem argumentos sobre as crenças opostas e reflitam sobre eles, mas sem a necessidade de se engajar na visão do outro, pode ser um caminho encorajador.